Ansiedade e transtornos de ansiedade: características, sintomas e tratamento

ansiedade

Estou ansioso! Frase lacônica que é fácil de ouvir as pessoas dizerem nos ambientes mais díspares e também a mais frequente no consultório do psicoterapeuta. Ansiedade é a palavra mais pesquisada na web depois da depressão. Tem sido descrito abundantemente na literatura pelas disciplinas psicológicas e médicas como uma reação de alarme e também no senso comum significa tensão, muitas vezes constante, devido à preocupação; isso se torna patológico quando assume um caráter penetrante e incontrolável. Os sintomas ansiosos tornam-se então um transtorno de ansiedade.

Esta forma de perceber a realidade e reagir com preocupação e alarme é agora um quadro psicopatológico completo se persistir por pelo menos seis meses (DSMV) e pode causar estresse considerável e desconforto significativo, como afetar a qualidade de vida. A preocupação pode causar prejuízo significativo nas relações interpessoais, sociais e profissionais. Relacionamentos em casais são muitas vezes complicados pelo transtorno.

Os pensamentos são negativos, catastróficos e também podem desencadear reações somáticas. Se a ansiedade for excessiva, sintomas como:
inquietação e sensação de forte tensão; fadiga; Dificuldade de concentração; irritabilidade; tensão muscular; problemas de sono, dificuldade em respirar, ritmo cardíaco e trato gastrointestinal.

Pessoas ansiosas tendem a monitorar constantemente o ambiente em busca de perigos potenciais para si mesmo ou para as pessoas mais próximas. Como não há perigo real imediato, sua preocupação se desloca para o futuro.
A preocupação constante para evitar o perigo resulta em:

  1. a) a tentativa de solução disfuncional para evitar:
  • ser pego de surpresa ou pelo menos se preparar para o pior;
  • um aumento das emoções negativas relacionadas à possibilidade de algo temido acontecer;
  1. b) a tentativa de solução disfuncional para pedir ajuda:
  • evitar a possibilidade de se sentir mal por uma crise de ansiedade;
  1. c) a tentativa de solução disfuncional para reprimir as reações.

Essas pessoas não vivem a vida no presente, porque estão constantemente preocupadas em pensar imaginários ameaçadores projetados no futuro e se esforçando constantemente para evitar situações que consideram perigosas.
Numerosos estudos destacaram a correlação com a condição física: em particular com a dor física (fibromialgia, por exemplo, doenças reumáticas crônicas), asma, síndrome do intestino irritável. Representa um fator de risco no aparecimento de doenças cardíacas. Os sintomas de ansiedade são transversais a várias perturbações psicológicas e em particular a:

  • Disturbo dattacchi di panico: onde o medo é percebido como uma ameaça extrema, em uma escalada em que a pessoa fica aterrorizada com seus próprios sentimentos. Combater as reações de forma ineficaz aumenta as próprias reações em vez de reduzi-las, ativando um dispositivo disfuncional que mantém o problema (Nardone G. Terapia de ataque de pânico 2016)
  • Fobias específicas: ou seja, o medo incontrolável de entrar em contato com o objeto temido que a pessoa deve evitar. Existem tantas coisas no mundo, mas as mais difundidas estão relacionadas ao ambiente da pessoa (fobias de animais, de altura, de voar, agorafobia, etc.), mas não apenas (Nardone G. Paura panico phobie 1993)
  • Hipocondria e patofobia: a ansiedade é o resultado da tentativa de manter o próprio corpo sob controle, gerando um processo disfuncional que gera novo alarme (Nardone G ,. Além dos limites do medo 2000).
  • Transtorno obsessivo-compulsivo: onde a ansiedade é sedada com rituais patológicos (Nardone G., Portelli C. Obsessions, compulsions and manias 2013).
  • Dinâmica relacional: em que a ansiedade é produto do temido julgamento dos outros: o medo de não estar à altura; ser rejeitado; de não saber se controlar, etc. (Muriana E., Verbitz T. Psicopatologia da vida amorosa 2010).
  • Transtorno de estresse pós-traumático: aqui a ansiedade e/ou pânico são reações sintomáticas ao trauma que se extinguirá assim que o transtorno for resolvido (Cagnoni F., Milanese R. Cambiare il passado 2009).
  • Depressão: a ansiedade está associada à dificuldade de regular as emoções e termina quando a renúncia se torna a tentativa predominante de solução (Muriana E., Pettenò L., Verbitz T. As faces da depressão 2006).
  • Distúrbios sexuais: onde a ansiedade de desempenho é muitas vezes o gerador da persistência do problema (Nardone G., Rampin M. Quando o sexo se torna um problema 2015).
  • Distúrbios alimentares (anorexia, bulimia, síndrome do vômito e compulsão alimentar): em que a ansiedade se manifesta tanto como um medo específico quanto como uma tentativa de controlar a comida (Nardone G. Verbitz T., Milanese R. A prisão da comida 1999).
  • Transtornos Mentais Superiores (Psicose, Borderline, Paranóia e Transtornos Bipolares): em que a ansiedade está quase sempre presente mesmo em conjunto com delírios. (Muriana E., Verbitz T., Nardone G. no prelo)

 

RESULTADOS DA EFICÁCIA E EFICIÊNCIA DA PSICOTERAPIA CURTA ESTRATÉGICA

A Terapia Estratégica Breve dispõe de protocolos específicos para o tratamento da ansiedade e das perturbações que muitas vezes lhe estão subjacentes, capazes de resolver o problema com uma taxa de eficácia e eficiência superior a qualquer outra psicoterapia.
A eficiência relativa à recuperação completa do transtorno (que inclui três reuniões de acompanhamento) é em média de 7 sessões para todo o tratamento. Se, por outro lado, considerarmos a eliminação do transtorno incapacitante, ou a liberação dos sintomas, na totalidade da amostra isso foi alcançado nas primeiras 4 sessões, ou 2/3 meses do início da terapia.
Resultados de eficácia dos protocolos de tratamento:

  • Transtornos fóbicos e de ansiedade (95% dos casos)
  • Transtornos obsessivos e obsessivo-compulsivos (89% dos casos)
  • Distúrbios alimentares (83% dos casos)
  • Disfunção sexual (91% dos casos)
  • Transtornos do humor (82% dos casos)
  • Distúrbios da infância e adolescência (82% dos casos)
  • Distúrbios de dependência de internet (80% dos casos)
  • Psicose presumida, transtorno limítrofe e transtorno de personalidade (77% dos casos)

Como se pode compreender, o fato de as psicopatologias poderem ser decididamente sofridas e persistirem por anos não significa que a terapia deva ser igualmente dolorosa e prolongada ao longo do tempo. Com as palavras de William Shakespeare gostamos de lembrar que "Não há noite que não veja o dia".

Dra. Emanuela Muriana, (Psicoterapeuta Oficial e Professora Docente do Centro de Terapia Estratégica)

Referências:

Cagnoni F., Milanese R. (2009). Mude o passado. Ponte alle Grazie.
Muriana E., Pettenò L., Verbitz T (2006). As faces da depressão. Ponte alle Grazie.
Muriana E., Verbitz T. (2010) Psicopatologia da vida amorosa. Ponte alle Grazie.
Nardone G. (1993) Medo fobias de pânico. Ponte alle Grazie.
Nardone G. Verbitz T., Milanese R. (1999). As prisões de alimentos. Ponte alle Grazie.
Nardone G. (2000) Além dos limites do medo. Ponte alle Grazie.
Nardone G. De Santis G. (2011) Cogito logo eu sofro. Ponte alle Grazie.
Nardone G., Portelli C. (2013) Obsessões, compulsões e delírios. Ponte alle Grazie.
Nardone G. (2013) Corrija-me se eu estiver errado. Ponte alle Grazie.
Nardone G. (2016) Terapia do Ataque de Pânico. Ponte alle Grazie.
Watzlawick P, Nardone G. (1997)  Terapia Estratégica Breve. Ponte alle Grazie.

 

Snippets de código PHP Powered By: XYZScripts.com