Mitos de comida falsa: enganos de marketing

Os falsos mitos da nutrição

(Muitas pessoas pensam que estão pensando, mas na realidade estão apenas reorganizando seus preconceitos)
William James

Comer deve ser um ato natural, como se mover ou respirar. No entanto, nunca antes contamos com manuais, nutricionistas, nutricionistas, sites da Internet para aprender a fazer algo que nossos ancestrais fizeram espontaneamente por milhões de anos.

No entanto, apesar daenorme atenção dedicada à nutrição, o setor alimentar continua enormemente confuso e contraditório. Praticamente todos os dias surge uma nova dieta "milagrosa", que promete beleza, saúde e peso, de forma rápida e sem esforço, enquanto as pesquisas científicas avançam lenta e laboriosamente, gerando mais dúvidas do que certezas.

Nessa confusão nascem e se mantêm falsos mitos, habilmente montados pela indústria alimentícia, que, como todas as indústrias, se preocupa mais com o lucro do que com a saúde.

O falso mito por excelência é “para perder peso tenho que comer menos e me mexer mais”, baseado na famosa hipótese da “contagem de calorias”, que considera o corpo como uma balança de duas panelas. Em um encontramos as calorias que entram com os alimentos e no outro as que saem com a atividade física.

O equilíbrio de peso (e presumivelmente de saúde) será obtido apenas igualando exatamente essas duas quantidades, uma tarefa infinitamente complexa e francamente impossível.

De fato, o destino das calorias, ou melhor, dos nutrientes que ingerimos é decidido pelo corpo com base nas múltiplas necessidades do momento:
renovar e reparar tecidos, sintetizar hormônios e anticorpos, manter a temperatura, crescer, combater infecções, digerir, pensar e muitas outras funções, todas internamente e absolutamente reguladas fora de nosso controle.

Nosso organismo, evoluído para resistir em circunstâncias adversas, regula o apetite, o consumo e o peso adotando uma lógica de sobrevivência. Em condições de deficiência, como durante uma dieta de baixa caloria, ele reagirá diminuindo o consumo e ativando mecanismos de emergência: aumenta a fome, diminui a energia, fica irritável, sacrifica a massa magra e assim por diante.

E como um cacto sedento no deserto, o corpo se prepara para absorver e acumular todas as calorias que entram, levando à pronta recuperação do peso (com juros) assim que a dieta é interrompida; além disso, a cada dieta hipocalórica, o corpo “aprende” a lidar com a restrição subsequente, conservando peso e gordura de forma cada vez mais eficaz e eficiente.

É assim que as repetidas dietas de baixa caloria se tornam uma importante causa de excesso de peso: a tentativa de solução de falência que complica o problema e o mantém ao longo do tempo.

Uma consequência direta do falso mito das calorias é o diabólico falso mito de que "para perder peso você só precisa de um pouco de força de vontade", a necessária para se satisfazer dia após dia com uma salada simples ou um pote de iogurte desnatado. No entanto, como, diante de uma deficiência energética, o corpo reage prontamente aumentando a fome e reduzindo o consumo, apesar dos sacrifícios, a tão desejada perda de peso diminui progressivamente até parar por completo.

Se continuarmos esta "queda de braço" com o nosso metabolismo, mais cedo ou mais tarde a "força de vontade" estará destinada a sucumbir e, cansados, desanimados e famintos, recuperaremos todo o peso com interesses. Ainda mais deletério, porém, é o efeito psicológico desse falso mito.

Negligenciando completamente o enorme valor psicoemocional que a comida tem na nossa sociedade do bem-estar, a dieta restritiva entra em conflito com uma emoção fundamental ligada à comida, o prazer: o prazer da boa comida, do estar junto, do convívio.

No entanto, como disse Santo Agostinho "ninguém pode viver sem prazer"E o sacrifício prolongado imposto pela dieta, mais cedo ou mais tarde, resultará em uma perda de controle, inevitavelmente acompanhada de um enorme sentimento de culpa. alegações nutricionais excessivamente rígidas.

O controle obsessivo da comida e o paradoxo da tentativa de controle que faz perder o controle, se repetido ao longo do tempo, altera profundamente nossa relação com a comida e pode levar em alguns casos a um transtorno alimentar, como bulimia e compulsão alimentar.

Já que, parafraseando Oscar Wilde, "a única maneira de vencer uma tentação é ceder a ela", em vez de estabelecer um cabo-de-guerra insano entre força de vontade e sensações e emoções, é preciso incluir pequenas transgressões, pequenas perdas de controle programadas que protegem contra grandes perdas de controle.

Conforme expresso por Giorgio Nardone, diante de um prazer "se você permitir, pode desistir, se não permitir, será indispensável". A manutenção de uma alimentação equilibrada, entendida no sentido original do termo, ou seja, "estilo de vida", nunca pode, portanto, depender de um esforço voluntário, mas sim de um profundo conhecimento e respeito pela nossa fisiologia e psicologia, pois, nas palavras de Epicuro, "a natureza não deve ser forçada, mas persuadida".

Dra. Roberta Milanese e Dra. Simona Milanese
(Psicoterapeutas, professores e pesquisadores oficiais do Centro de Terapia Estratégica)

 

Bibliografia
Milanese R., Milanese S. (2019), Nutrição: falsos mitos e enganos de marketing, Alpes, Itália
Nardone G. (2007), A dieta paradoxal, Ponte alle Grazie, Milão.

Snippets de código PHP Powered By: XYZScripts.com