Paranóia e delírios de perseguição. A intervenção através da psicoterapia breve estratégica

paranóia

"Não existe paranóia. Seus piores medos se tornam realidade a qualquer momento"
(Caçador S. Thompson)

 

Para classificar esse tipo de patologia mental pela primeira vez foi Emil Kraeplin, um psiquiatra alemão do final de 1800. Com o termo "paranóia pura" ele identificou todos os distúrbios que são baseados em crenças ilusórias, não necessariamente ligadas a ideias de perseguição. Na classificação do DSM, até o momento, as ideações paranóides são mencionadas em Transtorno de Personalidade Paranóide, Transtorno Persecutório Delirante e Esquizofrenia Tipo Paranóide.

A estrutura e as características distintivas do problema
Aqueles que sofrem de paranóia vivem na crença constante de que têm "um inimigo para combater".
Sente-se constantemente atacado e, para se defender, muitas vezes ataca primeiro; ele aparece polêmico, sempre alerta, "culpando", frio e distante, às vezes até hostil.

A capacidade do paranóico de ler a realidade circundante sofre uma verdadeira deformação: a ironia é percebida como um golpe deliberado contra si mesmo; a oferta de ajuda como forma elegante de apontar a própria incapacidade; um elogio como forma de desqualificar. Ações e comunicações são percebidas como confirmação de suas crenças.

A tendência de atribuir a culpa aos outros, ou pelo menos a algo fora de si mesmo, é a característica definidora do paranóico.
Esta forma de pensar e de se comportar, mesmo que aparentemente pareça voluntária, na verdade não é, pois implica uma grande dificuldade: a incapacidade de cultivar as relações interpessoais mais íntimas e uma profunda labilidade em relação à vida amorosa em geral.

 

Os delírios da perseguição
Um agravamento adicional ocorre quando a paranóia também é acompanhada de delírios de perseguição, ou a crença de ser espionado, perseguido, de ser objeto de complôs, de correr perigo, envenenamento ou emboscada, de ser vítima de alguma ação destinada a prejudicá-los .

O paranóico com mania de perseguição difere do paranóico pela presença da ideia de que os outros têm o mal, que tramam, tramam e deliberadamente fazem algo contra sua pessoa. O medo irracional de que alguém o siga, o medo de ser descoberto a qualquer momento.

A batalha do paranóico: as tentativas de soluções
A atividade de pesquisa-intervenção realizada ao longo dos anos no Centro de Terapia Estratégica de Arezzo dirigido pelo professor Giorgio Nardone e seus colaboradores permitiu identificar quais são as Soluções Tentativas disfuncionais * implementadas por aqueles que sofrem de paranóia - e por pessoas ao seu redor - que , em vez de resolver, amplifique a perturbação.

  • A suspeita que se torna certeza: a tentativa de controlar a realidade externa.
    Para se defender do ataque constante que sente contra si mesmo, o paranóico tenta controlar tudo e todos. Essa tentativa de controle faz com que os outros percebam que ele é cauteloso. Este último, como reação, começa a sentir desconforto em sua presença e, por sua vez, desconfiança. A dinâmica que alimenta a crença de que os outros estão com raiva dele se confirma nesse momento. A tentativa de controle se transforma no que de fato desencadeia aquele círculo vicioso que alimenta a desordem: eu suspeito dos outros e os controlo, mas isso faz com que os outros suspeitem de mim. No final, o que encontrarei em seus olhares e atitudes será a confirmação de minhas dúvidas e isso me levará a me comportar de maneira cada vez mais desconfiada.
  • Aquele que busca encontra: a busca pela confirmação de suas suspeitas.
    Duvidar de tudo e de todos leva o paranóico a viver constantemente na dúvida. Por um lado, há outros que tentam fazê-lo pensar, explicar-lhe racionalmente a estranheza de seu comportamento, por outro, há pensamentos baseados na suspeita - "se você não me entende, significa que você está conspirando contra Eu". Para sair dessa dualidade, o paranóico começa a interpretar de forma rígida todas as informações que o cercam: em todas as situações, ele se concentra em buscar escrupulosamente todos aqueles elementos que possam confirmar sua ideia de ameaça: " se você quer que eu faça de uma certa maneira não é porque você quer o meu bem, mas porque você quer me irritar, ou até me prejudicar”.
  • As fortalezas de areia: o envolvimento dos familiares
    A pessoa que sofre de paranóia, para se defender de um possível ataque externo, em alguns casos pode chegar a envolver ativamente os familiares. De forma mais ou menos velada, pode pedir-lhes que tomem determinadas ações. Se estes aderirem, a crença subjacente ao transtorno é fortalecida; se hesitarem, podem receber explosões de raiva do paranóico que, ao fazê-lo, causa a perturbação para manter todos sob controle. Todos se juntam na tentativa de encontrar uma solução, mas acabam se juntando ao problema!

Intervenção estratégica
Os principais modos de intervenção estratégica para paranóia e paranóia com delírios de perseguição diferem de acordo com a forma como o problema funciona no caso individual. Cada caso é único e a escolha e utilização das diferentes técnicas, manobras e indicações, exige que estas sejam perfeitamente adequadas ao problema e à pessoa que o transporta.

O objetivo da terapia é quebrar e então desmantelar a crença da pessoa. Como sempre para nós estrategistas, procedemos a um estudo apurado da estrutura do problema, que determinará a estrutura da solução.

Quando dizemos estrutura do problema, queremos dizer como ele foi formado, como persiste e como é mantido. A estrutura da solução, por outro lado, é dada pela forma como o problema é interrompido com o uso direcionado de prescrições e manobras. Somente ao final da terapia saberemos o verdadeiro funcionamento do transtorno, graças ao que o resolveu.

Para concluir, é bom lembrar que entre saúde e patologia, a diferença está sobretudo na “quantidade”. Mecanismos semelhantes, mas em doses diferentes, criam realidades diferentes; se suspeitar é algo que acontece com cada um de nós e que muitas vezes também tem sua própria utilidade, viver constantemente em alerta até passar para delírios completos é algo que beira muito o patológico e que torna a vida da pessoa um verdadeiro inferno .

Poderíamos dizer que "a paranóia é apenas um cálculo mais ativo de probabilidades"(Richard Krause).

 

* Por Tentativa de Solução entendemos tudo o que a pessoa, e o contexto em que se move, põe em prática para tentar resolver uma dificuldade e que, repetida ao longo do tempo, não só não resolve, como mantém e alimenta a própria dificuldade, contribuindo para a estruturação e persistência de uma desordem real. É um construto chave do modelo de intervenção estratégica, ponto de partida de qualquer intervenção terapêutica porque se configura como um “redutor de complexidade” que permite conhecer como funciona o problema e, ao mesmo tempo, tomar medidas concretas para a sua resolução.

Dra. Daniela Birello (Psicoterapeuta e Pesquisadora Oficial do Centro de Terapia Estratégica)
Dra. Lindita Prend (Psicoterapeuta e Pesquisadora Oficial do Centro de Terapia Estratégica)

 

(Para maiores informações sobre o assunto, sugerimos a leitura do livro "Se você é paranóico, nunca está sozinho. Da desconfiança ao delírio paranóico", Escrito por Emanuela Muriana e Tiziana Verbitz e publicado pela Alpes em 2017)

BIBLIOGRAFIA
Cagnoni F., Milanese R. (2009), Mude o passado. Superando traumas com terapia estratégica, Ponte alle Grazie, Milão.
Muriana, E., Verbitz, T. (2017), Se você é paranóico, nunca está sozinho! Da desconfiança ao delírio paranóico, Alpes, Roma.
Nardone G. (2013), Psicotrap, ou os sofrimentos que construímos para nós mesmos: aprenda a reconhecê-los e combatê-los, Ponte alle Grazie, Milão.
Nardone G., (2007). Mude os olhos tocam o coração. Milão: Ponte alle Grazie.
Nardone, G., Balbi, E. (2008). Navegue pelo mar sem o conhecimento do céu. Florença: Ponte alle Grazie.
Nardone G., Portelli C. (2015), Mude para saber, Ponte alle Grazie, Milão.
Nardone G., Salvini A. (editado por) (2013), Dicionário Internacional de Psicoterapia, Garzanti, Milão.
Nardone, G., De Santis, G. (2011), Cogito ergo sofre: Quando pensar demais dói, Ponte alle Grazie, Milão.

 

Snippets de código PHP Powered By: XYZScripts.com