Psicopílulas: o uso de psicofármacos de forma ética e estratégica

pílulas e comprimidos coloridos

Um em cada cinco italianos consome drogas psiquiátricas por um custo total que só na Itália ultrapassa 3 bilhões e 300 milhões de euros. Um verdadeiro boom na venda de psicotrópicos que agora são prescritos e tomados também para administrar as dificuldades, ansiedades e desconfortos normais da vida cotidiana.

A tendência de medicalizar qualquer emoção ou sentimento negativo típico de nossa sociedade do bem-estar está levando cada vez mais à ilusão de que a condição existencial "saudável" é a da "felicidade a todo custo e em todos os momentos" e que quem não viver nesta condição tem um problema psicológico, ou pior ainda, biológico que precisa ser corrigido com um medicamento.

Há vários anos que temos assistido à tendência incontrolável e alarmante de estender a ideia de doença mental a um número cada vez maior de aspectos da vida humana. então praticamente nenhum de nós pode ser considerado "saudável" de acordo com a última versão da chamada "Bíblia da psiquiatria", o DSM-5. De fato, se seguirmos os critérios deste manual, quase 25% da população parece sofrer de um transtorno mental pelo menos uma vez na vida.

Eis então que a reação de luto pela perda de um ente querido torna-se depressão, a timidez torna-se fobia social, a criança animada e rebelde que o professor não consegue conter torna-se a criança doente que deve ser tratada, de preferência com um psicotrópico que vai transformá-lo em um aluno modelo.

A confiança no progresso da medicina típica do nosso século, alimentada e amplificada em excesso pelos interesses econômicos da indústria farmacêutica, leva cada vez mais a acreditar que existe uma psicopílula para resolver qualquer desconforto e, ao mesmo tempo, que todo desconforto pode ser superado, somente graças a uma psicopílula.

Na realidade, não é assim: nem todos os sofrimentos emocionais, relacionais e psíquicos são doenças que requerem terapia medicamentosa para serem resolvidas. De fato, as drogas podem ser supérfluas, se não prejudiciais, se usadas para tratar distúrbios que não pertencem à esfera "bioquímica" do indivíduo, mas ao complexo conjunto de relações que a pessoa mantém consigo mesma, com os outros e com o mundo.

Nas palavras do pai da medicina Hipócrates, "similia similibus curantur" (coisas semelhantes são curadas por coisas semelhantes): se um problema é gerado em nível familiar, cultural, social, interpessoal, a melhor maneira de lidar com ele é agir no mesmo nível; pelo contrário, se o problema for gerado biologicamente, o tratamento privilegiado será o psicofarmacológico.

Nesta esteira, os resultados das últimas pesquisas científicas mostraram que a droga representa a parte central da cura apenas em algumas situações muito graves, como em casos de psicose, transtorno bipolar ou depressão grave. Em todos os outros casos, a psicoterapia, e não as drogas psicotrópicas, é o tratamento de escolha. Isso se aplica, por exemplo, a todos os chamados "transtornos de ansiedade" (ataques de pânico, obsessões e compulsões, fobias, hipocondria, etc.). De fato, na base desses transtornos não há um funcionamento anômalo da resposta ansiosa, como o próprio nome sugere, mas uma alteração na percepção do medo de determinadas situações (internas ou externas) que desencadeiam uma reação ansiosa.

Como também destacou o neurocientista Joseph LeDoux, a droga pode inibir reações de ansiedade, mas não pode mudar a percepção do medo. Portanto, uma intervenção que queira ser efetiva e eficiente não pode se limitar a bloquear a reação ansiosa, mas deve intervir na percepção de medo da pessoa. Nesses casos, as drogas psiquiátricas podem até piorar a situação, quando a pessoa as usa como "muletas" tornando-se cada vez menos capaz de "andar" sozinha.

O mesmo vale para os transtornos alimentares (anorexia, bulimia, vômitos e compulsão alimentar) em que as diretrizes internacionais indicam a psicoterapia (individual ou familiar dependendo da situação) como o tratamento mais eficaz sem a necessidade de recorrer a psicofármacos. As terapias que têm se mostrado mais eficazes para o tratamento desses transtornos, à luz das evidências científicas mais recentes, são a psicoterapia cognitivo-comportamental e a terapia estratégica breve.

Finalmente, não devemos esquecer que no campo psicológico a palavra "cura" é muitas vezes usada de forma intercambiável para se referir ao conceito de "cura", entendido como a resolução total de um distúrbio, e não apenas o "manejo" de seus sintomas.
As drogas psicotrópicas, de fato, pertencem à categoria de tratamentos "sintomáticos" e não curativos, ou seja, não são capazes de "curar" os transtornos mentais, mas configuram-se, dependendo do caso, como intervenções destinadas a "gerenciar" o sintomas ou apoiar o processo de cicatrização, o que, no entanto, ocorre graças a outros tipos de intervenções, como as psicoterapêuticas.

Mas "curar" e "gerenciar" obviamente não são a mesma coisa, e o profissional que deseja assumir uma posição ética e estratégica em relação aos pacientes deve, portanto, privilegiar, sempre que possível, intervenções capazes de levar à extinção total do transtorno e re- estabelecimento da condição de bem-estar da pessoa. Só quando, em "ciência e consciência", a cura não parecer alcançável, será importante recorrer a tratamentos que permitam gerir ou amortecer a doença da forma mais eficaz possível.

Como afirma o grande psiquiatra Philippe Pinel "Não é uma arte de pouca importância administrar medicamentos adequadamente, mas é uma arte mais importante saber quando não administrá-los.".

 

Dra. Roberta Milanese (Psicoterapeuta, palestrante e pesquisadora oficial do Centro de Terapia Estratégica)

Bibliografia:
Caputo, R. Milanese (2017), Psicopílulas. Por um uso ético e estratégico de medicamentos, Ponte alle Grazie, Milão.

Snippets de código PHP Powered By: XYZScripts.com