Cinema e renovação. Coloque novas lentes para olhar a realidade

frau im büro hält ausschau nach guten angeboten

"A maior farsa que o diabo já fez foi convencer o mundo de que ele não existe." Lembra do famoso filme Os Suspeitos de sempre? Kevin Spacey, um golpista barato, um pouco estúpido e manco, é interrogado por um policial que investiga um chefe criminoso chamado Keyser Soze e todo o filme flui seguindo a narração dos eventos fornecida por Spacey. Somente nos últimos minutos do filme assumimos – de repente e ao mesmo tempo que o policial – um novo ponto de vista, que derruba por completo a percepção que tínhamos até aquele momento.

Então, quando o policial percebe que o protagonista inventou toda a história usando os escritos no quadro de avisos da delegacia de polícia como ponto de partida, não podemos deixar de nos sentir deslocados, enganados e assistindo Kevin Spacey, aliás "Keyser Soze", indo embora mancando da delegacia e que, aos poucos, começa a andar normalmente, percebemos que fomos enganados pelo único ponto de vista adotado até aquele momento, assim como o policial.
Paul Watzlawick afirma: "A crença de que a realidade que todos veem é a única realidade é a mais perigosa de todas as ilusões".

Pode parecer surpreendente à primeira vista, porque cada um de nós está acostumado a ver apenas o que considera "sua própria realidade", ou seja, aquela que observa do seu próprio ponto de vista e que se limita a uma única interpretação, geralmente a aquele que ele considera o mais razoável ou o mais usual. Na verdade - e perdoe o trocadilho! - nunca lidamos com a realidade, mas sempre com imagens da realidade, portanto com interpretações dela, que construímos a partir do ponto de vista que tomamos para observá-la.
O professor Keating, interpretado por Robin Williams em The Fleeting Moment, de pé sobre a mesa, incentiva seus alunos a fazerem o mesmo, dizendo-lhes que é precisamente quando você pensa que sabe algo que deve olhar de outra perspectiva. E é aí que entra a reestruturação.

Na década de 70, Paul Watzlawick definiu reestruturação como a mudança do pano de fundo ou visão conceitual/emocional em relação à qual uma situação é vivenciada, colocando-a dentro de outro quadro que é bem adequado, se não melhor, aos fatos da própria situação. significado. Em outras palavras, reestruturar significa recodificar as imagens e percepções da realidade do paciente de muitas maneiras diferentes, orientando-o a mudar seu ponto de vista da realidade vivenciada como problemática e fazendo-o experimentar diferentes sensações e percepções em relação a essa realidade.

A reestruturação não altera os fatos concretos, mas o significado que a pessoa atribui a esses fatos. Isso o levará a reagir de maneira diferente a eles e, portanto, à mudança inevitável. Mas ainda temos que voltar no tempo - e precisamente na Grécia antiga - para encontrar na doutrina da antítese, desenvolvida por um sofista chamado Protágoras, o precursor da técnica de reestruturação. Foi Protágoras, aliás, quem mostrou que um mesmo tema, abordado de diferentes pontos de vista, pode levar a resultados diferentes.

Voltando aos dias de hoje, é comum a experiência de assistir a inúmeros filmes, experimentar que - dependendo do ponto de vista tomado - acaba-se por descobrir realidades completamente diferentes daqueles que ele achava que conhecia. Pense nos thrillers sobrenaturais O Sexto Sentido e Os Outros. Na primeira, só no final descobrimos que Bruce Willis – que interpreta o neuropsiquiatra infantil ansioso por ajudar o pequeno protagonista – é na verdade um dos mortos que a criança vê ao seu redor. No segundo, da mesma forma, durante o filme acreditamos que Nicole Kidman e seus filhos vivem em uma casa mal-assombrada, apenas para perceber no final que na realidade os fantasmas sempre foram eles.

E quando, ao final, vemos “a nova realidade” das histórias contadas, não podemos mais considerar “verdadeiro” o que percebemos até aquele momento. Nas comédias rosa americanas vemos outro exemplo de reestruturação: aquela em que o patinho feio vira cisne, ou seja, nasce-se nerd e morre-se Angelina Jolie. Um exemplo de como se tornar uma femme fatale a partir de bases estéticas questionáveis ​​é fornecido por Anne Hathaway em O Diabo Veste Prada. A protagonista, mudando o corte de cabelo, perdendo alguns quilos, substituindo o suéter de feltro por um fantástico terno Chanel e, finalmente, trocando as botas por um par de Louboutins, mostra-nos que reestruturar a imagem é brincadeira de criança.

Ok, devemos apontar para os escritores que fazer uma mulher bonita parecer feia é muito mais fácil do que transformar um mortal comum em uma deusa. Infelizmente no mundo "real" se eu não lavar o cabelo eles ficam sujos, se eu não passar o corretivo você pode ver olheiras e principalmente se eu não fizer algum esporte dificilmente vou ficar em forma. Mas nós mulheres queremos acreditar no mesmo e na verdade todas queremos um par de Louboutins!

A reestruturação passa também pela linguagem, a escolha das palavras que são um veículo de mudança. JL Austin nos ensinou que “dizer algo é fazer algo”, portanto as palavras geram efeitos diretamente no mundo material e nas relações humanas. Pense na fala de Liz Taylor em Mirror Murder: “Querida, você parece um bolo de aniversário! Pena que todo mundo já pegou uma fatia!”. Ainda assim, Woody Allen é um verdadeiro mestre em entregar uma reestruturação irônica e às vezes sarcástica de relacionamentos por meio da linguagem. Em Me and Annie ele afirma: “Um relacionamento é como um tubarão. Ou seja, ele deve se mover constantemente ou morre. E acho que o que temos nas mãos é um tubarão morto”. E novamente: “Minha esposa e eu somos felizes há vinte anos. Então nos encontramos”.

Na Terapia Estratégica Breve utilizamos a técnica de reestruturação sempre que, sem negar a percepção do paciente, queremos orientá-lo a usar novas lentes para olhar sua realidade e reagir a ela de forma mais funcional. Como nos lembra Giorgio Nardone, essa é a atitude estratégica em relação aos problemas humanos. A reestruturação é uma técnica terapêutico que usa o fato de que todas as regras, todas as realidades de segunda ordem, são relativas, que a vida é o que se diz ser. Podemos, na melhor das hipóteses, apenas nos adaptar da maneira mais funcional ao que percebemos.

Tudo isso está perfeitamente resumido na carta que, em uma cama de hospital e à beira da morte, Cate Blanchett sente desejo do amor de sua vida, que morreu antes dela em O Curioso Caso de Benjamin Button:

“Por que vale a pena nunca é tarde demais, ou no meu caso muito cedo, para ser quem você quer ser. Não há limite de tempo, comece quando quiser. Você pode mudar ou ficar como está, não há regra nisso, podemos viver tudo para o melhor ou para o pior. Espero que você experimente tudo ao máximo. Espero que você possa ver coisas incríveis, espero que sempre possa ter novas emoções, espero que possa conhecer pessoas com pontos de vista diferentes. Espero que você possa se orgulhar da sua vida e, se perceber que não está, espero que encontre forças para começar do zero”.

 

Dra. Francesca Moroni (Psicoterapeuta Oficial do Centro de Terapia Estratégica)

 

Bibliografia
Gallo G. (2014), O amor não é um filme, editora Imprimatur
Nardone G. (1991), Sugestão, reestruturação, mudança, Giuffré Editore, Milão
Watzlawick P, Beavin JH, Jackson DD (1971), Pragmática da comunicação humana, Astrolabe, Roma
Watzlawick P. (1980), A linguagem da mudança, Feltrinelli, Milão

Snippets de código PHP Powered By: XYZScripts.com