Terapia como pesquisa, pesquisa como terapia

terapia

Desde 1985, através de um método experimental empírico, o Centro de Terapia Estratégica de Arezzo realiza pesquisas para o desenvolvimento de modelos avançados de terapia breve estratégica orientada para a solução.

O resultado mais interessante foi o formulação de protocolos para o tratamento de transtornos mentais específicos - especialmente transtornos fóbico-obsessivos e transtornos alimentares (Nardone, Watzlawick, 1993; Nardone, Verbitz, Milanesa, 1999) - com resultados altamente eficazes e eficientes, reconhecidos cientificamente como os mais relevantes no campo psicoterapêutico (87% dos casos resolvidos com duração média de sete sessões).

A ideia central foi desenvolver, a partir de modelos terapêuticos gerais, protocolos de tratamento específicos para determinadas patologias, ou seja, sequências rigorosas de manobras terapêuticas com poder heurístico e preditivo, capazes de orientar o terapeuta recorrendo ao recurso a determinados estratagemas terapêuticos, para quebrar o rigidez patológica específica do transtorno ou problema apresentado.

Após essa primeira mudança significativa, os protocolos foram elaborados para orientar os pacientes a reorganizar seu sistema perceptivo-reativo em direção a um equilíbrio mais funcional. O objetivo desta longa e laboriosa pesquisa, aplicada a centenas de casos em um período de mais de dez anos, foi identificar as formas mais adequadas para resolver cada um dos problemas específicos estudados.

Tudo isso também levou a novos pressupostos sobre a estrutura e os procedimentos de resolução de problemas e as técnicas relacionadas à relação terapêutica e à linguagem. Esses protocolos foram desenvolvidos incluindo técnicas específicas sobre estratégia, linguagem e relação terapêutica para cada transtorno ou problema estudado.

Esses protocolos são rígido, mas não rígido, uma vez que são adaptáveis ​​às respostas ou efeitos obtidos com as intervenções introduzidas - tal como num jogo de xadrez onde, após o lance inicial, os lances seguintes dependem do jogo do adversário.

Em um jogo de xadrez, se o jogador pode encontrar movimentos que revelem a estratégia do oponente, então ele está em condições de tentar uma sequência formalizada que levará ao xeque-mate.

O mesmo acontece na terapia: se uma intervenção consegue revelar a modalidade ou a persistência de um transtorno específico, o terapeuta pode desenvolver um protocolo de tratamento específico que acabará por levar à solução do problema apresentado.

em Psicoterapia Estratégica Breve, a avaliação do resultado não é formulada ao final da terapia, mas em cada etapa do processo terapêutico. Como na matemática, procuramos todas as respostas possíveis para cada manobra e depois as verificamos por meio de procedimentos experimentais empíricos. Esta metodologia permite-nos restringir as respostas possíveis (no máximo duas ou três para cada intervenção), permitindo-nos preparar o próximo movimento para cada resposta possível.

Assim procedemos obtendo uma avaliação dos efeitos e do poder preditivo para cada manobra isolada, e não apenas para o processo terapêutico global.

O processo sistemático de pesquisa aplicado em diversas formas de transtornos psicológicos tem se mostrado uma importante ferramenta de pesquisa. De fato, os dados coletados durante nossa pesquisa nos permitiram desenvolver um modelo epistemológico e operacional da formação e persistência das patologias em estudo. Isto levou-nos a um maior aperfeiçoamento das estratégias de solução, numa espécie de evolução em espiral alimentada pela interacção entre intervenções empíricas e reflexões epistemológicas, conduzindo à construção de estratégias específicas e inovadoras (Nardone, Watzlawick, 2004).

A investigação aplicada ao nosso trabalho clínico (Nardone, Watzlawick, 2000; Nardone, 1993, 1995a; Nardone, Milanese, Verbitz, 1999) permitiu-nos identificar uma série de modelos específicos de interação rígida entre o sujeito e a realidade. Esses modelos levaram ao aparecimento de tipos específicos de transtornos psicológicos, que são mantidos pela repetição de tentativas de soluções disfuncionais.

Isso leva à formação do que chamamos de Patogênico "sistema de percepções e reações"[1], ou seja, uma teimosa persistência em recorrer a estratégias que deveriam ser eficazes e que funcionaram para problemas semelhantes no passado, mas que agora apenas mantêm o problema (Nardone, Watzlawick, 1990).

Assim, o modelo evoluído da abordagem estratégica vai além das classificações nosográficas da psiquiatria e da psicologia clínica ao adotar um modelo de classificação de problemas em que o construto "sistema perceptivo-reativo" substitui as categorias tradicionais da patologia mental.

Tudo isso vai contra as tendências atuais de muitos terapeutas que inicialmente rejeitaram as classificações nosográficas tradicionais, mas que hoje parecem querer recuperar seu uso. Do nosso ponto de vista, a classificação é apenas mais uma tentativa de forçar os fatos e enquadrar os pacientes em sua própria teoria de referência, sem qualquer valor operacional concreto.

À luz desses pressupostos epistemológicos, parece-nos essencial formular o que chamamos de diagnóstico "operacional" (ou "diagnóstico-intervenção") na definição de um problema, em vez de um diagnóstico meramente "descritivo". Perspectivas descritivas como as do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM) e a maioria dos manuais diagnósticos propõem um conceito estático do problema, uma espécie de "fotografia" que lista todas as características essenciais de um transtorno. Por outro lado, esta classificação não fornece nenhuma indicação operacional de como o problema funciona ou sua solução.

Por descrição operacional entendemos um tipo de descrição cibernético-construtivista da modalidade de persistência do problema, ou seja, como o problema se alimenta através de uma complexa rede de feedbacks perceptivos e reativos entre o sujeito e a realidade pessoal e interpessoal (Nardone, Watzlawick, 1990). .

Com base nessas premissas, em nossa opinião a única maneira de conhecer uma realidade é intervir nela, pois a única variável epistemológica que podemos controlar é nossa estratégia, ou seja, nossas “tentativas de solução”. Se e quando uma estratégia funciona, ela nos permite entender como o problema persistiu. Chegamos a compreender um problema introduzindo uma mudança: como sugere o título deste livro, mude para conhecer.

Isso é consistente com as noções de Lewin (1951) de estase e mudança. Lewin argumentou que para entender como um processo funciona é necessário produzir uma mudança, observando seus efeitos e novas dinâmicas. Partindo deste pressuposto, passamos a compreender uma realidade trabalhando sobre ela, adaptando gradualmente as nossas intervenções e adaptando-as aos novos elementos que vão surgindo.

O modelo de terapia avançada é o resultado final deste processo empírico experimental, recorrendo a modelos de lógica matemática, que podem ser continuamente verificados e verificados, e que, graças à sua formalização, também são replicados e ensinados.

Finalmente, tal modelo não é apenas altamente eficaz e eficiente, mas também preditivo.

Esta última característica permitiu-nos transformar uma prática "artística" numa tecnologia avançada, sem perder o aspecto criativo, necessário ao seu processo de inovação contínua. Tudo isto com o maior respeito pelo rigor científico.

Obviamente, qualquer intervenção deve levar em consideração o paciente individual, para quem deve ser feita sob medida.

Como argumentou Erickson, cada indivíduo possui características únicas e irrepetíveis, incluindo interações consigo mesmo, com os outros e com o mundo. Portanto, cada caso sempre representa algo original. Conseqüentemente, toda interação humana, inclusive a terapêutica, é única e irrepetível, e o terapeuta deve adaptar sua própria lógica e linguagem às do paciente.

Somente se o terapeuta for capaz de compreender a lógica subjacente e usar a "linguagem do paciente" poderá proceder a uma investigação completa e "com sucesso" do problema apresentado e seus modos específicos de persistência. Uma vez esclarecidas as formas de persistir o problema, o terapeuta estará em condições de usar a lógica de resolução de problemas que lhe parecer mais adequada.

O terapeuta pode agora elaborar cada manobra, adaptando-a à lógica e à linguagem do paciente. Então, a intervenção terapêutica pode manter a sua capacidade de adaptação às peculiaridades e situação de cada doente, sem no entanto perder de vista o rigor estrutural da intervenção.

A estratégia é adaptada e moldada na estrutura do problema e sua persistência, enquanto a relação terapêutica e a linguagem utilizada devem ser adaptadas a cada paciente.

Portanto, mesmo quando adotamos um protocolo de tratamento específico, como para transtornos fóbico-obsessivos ou de nutrição, cada manobra é diferente, mas permanece a mesma, pois cada intervenção sofre alterações em seus aspectos comunicativos e relacionais, mantendo o mesmo problema estratégico procedimento de resolução. Neste sentido visamos o rigor e não a rigidez.

Giorgio Nardone
(cofundador e diretor do Centro de Terapia Estratégica)
baseado no livro Mude para saber

[1] Por sistema perceptivo-reativo entendemos as modalidades redundantes de percepção e reação do indivíduo em relação à realidade. Essas modalidades se expressam no funcionamento dos três tipos fundamentais e independentes de relação: entre o eu e o eu, o eu e os outros, e entre o eu e o mundo.Nardone, 1991).

Snippets de código PHP Powered By: XYZScripts.com